08/11/2017 / Em: Gestão

 

Administrar um negócio não é uma tarefa fácil, existem diversos fatores que devem ser considerados pelo empreendedor, como a logística, tributação, produção, embalagem, publicidade etc. Todo gestor sabe, porém, que o preço é um fator-chave para atrair ou afastar o consumidor no momento de realizar a venda de um produto ou serviço.

precificação

A precificação da mercadoria não pode ser efetuada de qualquer forma. É essencial possuir um bom planejamento sobre o valor final, pois esse número envolve todas as receitas e despesas da organização. Dessa forma, deve-se levar em conta se o cliente será capaz de arcar com aquela quantia, se está muito caro em relação aos concorrentes, se cobre seus custos, entre outras variáveis.

No momento de estipular o preço do produto, pequenos erros podem prejudicar enormemente a lucratividade ou até mesmo levar todo o negócio à falência. Com o intuito de evitar que você arque com prejuízos decorrentes da precificação, expomos, a seguir, os cinco erros mais comuns de serem cometidos e como evitá-los. Confira!

1. Não considerar todos os custos

Esse é um erro muito comum de acontecer e pode ser fatal para seu empreendimento. Frequentemente, os gestores precificam suas mercadorias por seu valor de mercado ou por mera dedução, desconsiderando completamente seus custos fixos, que são os gastos necessários para que o produto chegue ao estado em que pode ser vendido.

Para precificar corretamente seus itens, o gestor deve planejar, previamente, a quantidade de produtos que pretende vender naquele mês e incluir no preço o pagamento de todas as despesas do estabelecimento. Veja, a seguir, alguns gastos que devem ser ponderados:

  • mão de obra;
  • transporte;
  • alimentação;
  • aluguel;
  • licenças de softwares;
  • contas fixas, como água, luz e gás;
  • salários e encargos trabalhistas de funcionários.

Além dos custos acima, também se deve calcular a depreciação do bem, que consiste na perda gradual do valor do produto ao longo dos anos, diminuindo seu período de vida útil até que se torne inutilizável. Normalmente esse fator é calculado sobre máquinas, equipamentos, automóveis e outros bens que são desgastados no dia a dia da empresa.

2. Conceder descontos sem planejamento

Oferecer descontos é uma estratégia excepcionalmente efetiva para atrair novos clientes ou fidelizar os existentes. Mas o abatimento também deve ser planejado cuidadosamente, caso contrário poderá ser bastante prejudicial à companhia.

Por exemplo: se o desconto for concedido apenas em certos dias do mês, isso fará com que os consumidores apenas realizem a compra naquelas datas, como também, se for disponibilizado apenas em produtos que já possuem valores baixíssimos, o empreendimento terá prejuízo a cada unidade vendida.

Outro aspecto a ser observado consiste na raridade do ato, se o comerciante simplesmente reduzir o preço sem motivo especial, o cliente pensará que aquele é o valor comum do produto.

Uma boa tática para disponibilizar descontos sem arcar com prejuízos é concedê-los caso haja alguma ação que reduza seu custo, como a busca direta na loja pelo cliente, pois não haverá gastos com entrega.

3. Não refletir sobre o valor real do produto

Embasar suas mercadorias apenas com base nos preços estipulados pelos seus concorrentes é um ato imprudente. Qualquer valor aplicado sobre um produto deve possuir um estudo prévio e sólido, já que você não sabe quanto seus concorrentes pagam aos fornecedores, quais são os gastos mensais ou quanto eles investiram em tecnologia.

A estruturação dos preços não é uma tarefa excessivamente complexa, basta que o gestor seja organizado e calculista. Recomenda-se que haja uma planilha com a enumeração de todos os custos fixos, margem de lucro e eventuais descontos ou abatimentos de cada produto. Dessa forma, será calculado, exatamente, qual o valor real do produto e qual quantia do preço final poderá ser dedutível.

Com esse fator em mente, o comerciante terá muito mais firmeza ao negociar com fornecedores, parceiros ou clientes, pois sabe o quanto pode reduzir ou aumentar do valor das mercadorias, seja para vender ou comprar.

4. Aumentar ou diminuir preços de forma brusca e errada

Alguns ramos de mercado podem ser bastante voláteis, sofrendo constante redução ou aumento de preços em seus produtos. Isso pode se dar por inúmeros motivos, seja pelo surgimento de nova tecnologia, por um cenário de crise econômica ou pela simples valorização daquele bem pelos consumidores.

Saber aumentar e reduzir os preços é um desafio difícil a ser superado pelos comerciantes, pois é muito fácil fazê-lo de forma brusca, gerando consequências negativas à companhia.

Caso você aumente demais os preços, perderá diversos consumidores aos concorrentes. Uma diminuição exagerada também poderá ter o mesmo efeito, porque trará a imagem de má qualidade da mercadoria à clientela. Além disso, haverá uma redução desnecessária de seu faturamento mensal, visto que o cliente estava disposto a pagar mais por aquele produto ou serviço.

Por essa razão, da mesma maneira que o empreendedor estuda a precificação de seus itens, ele deve analisar o mercado em que atua e entender os percentuais que são alterados e suas respectivas razões. Assim, ele será capaz de encontrar um ponto de equilíbrio em meio à mudança de preços generalizada.

5. Acreditar que o preço é tudo

Diferente do que muitos empresários pensam, o preço não é o único fator que mantém a fidelidade do cliente. Uma experiência completa poderá fazer toda a diferença na hora de optar por sua empresa. É fundamental que haja um excelente atendimento, um ambiente agradável e que seja garantido todo suporte necessário em caso de necessidade.

Aqui também entra a importância da estratégia de branding. O consumidor pode criar uma simpatia por sua marca, seja porque gostou de uma característica peculiar ou da qualidade de seu produto.

Ao investir nessa tática, o cliente dará preferência aos seus produtos sobre os de seus concorrentes. Além disso, há aqueles que estão dispostos a pagar mais por uma característica diferenciada da sua prestação de serviço, como uma entrega mais rápida em comparação com os concorrentes ou um ótimo suporte técnico.

Com a leitura deste post, pode-se perceber que uma boa precificação demanda uma análise minuciosa de todos os fatores que influenciam no preço. O empreendedor que arquitetar um plano estratégico, evitando os erros acima explicados, terá um resultado bastante recompensador, podendo garantir a lucratividade do negócio de forma abundante e contínua, assim como, permitindo que a empresa se desenvolva rapidamente.

Este post é extremamente útil, não concorda? Assine nossa newsletter e receba, gratuitamente, mais conteúdos como este no seu e-mail!

Comentários